Lucro do Itaú cresce 6,4% e soma R$ 26,58 bilhões em 2019

Criado em 11/02/2020 por Administrador


No quarto trimestre, o lucro líquido foi de R$ 7,482 bilhões, alta de 20,6% ante o mesmo período de 2018.
Por G1

10/02/2020 19h18 Atualizado há 10 horas


O banco Itaú informou nesta segunda-feira (11) que encerrou 2019 com lucro líquido de R$ 26,583 bilhões, um crescimento de 6,4% na comparação com o ano anterior (R$ 24,977 bilhões). No quarto trimestre, o lucro líquido foi de R$ 7,482 bilhões, alta de 20,6% ante o mesmo período de 2018.

Já o retorno sobre o patrimônio líquido anualizado, indicador que mede como o banco remunera os seus acionistas, chegou a 23,7% no ano passado, um avanço de 1,7 ponto percentual contra 2018.

No quarto trimestre, o lucro líquido recorrente, que exclui operações extraordinárias do banco, alcançou R$ 7,29 bilhões, um crescimento de 12,6% em relação a igual período de 2018. No ano, o lucro chegou a R$ 28,4 bilhões, 10,2% acima do registrado em 2018.

Últimos resultados do Itaú — Foto: Arte/G1Últimos resultados do Itaú — Foto: Arte/G1
Últimos resultados do Itaú — Foto: Arte/G1

O banco destaca o crescimento de 8,6% da margem financeira com clientes, que foi puxado, principalmente, pelo avanço das carteiras de crédito, motivado por maior demanda.

O crédito concedido às pessoas físicas aumentou 13,5% no período, com destaque para o cartão de crédito que cresceu 17,4%. Já a carteira de micro e pequenas empresas avançou 26,6%, enquanto a de grandes empresas aumentou 10,1%.

A carteira de crédito do banco somou R$ 706,664 bilhões no quarto trimestre de 2019, o que representou um crescimento de 10,9% na comparação com os três meses anteriores (R$ 636,934 bilhões).

“A melhora do cenário econômico e, consequentemente, do ambiente de negócios possibilitou a retomada do crédito em 2019, o que impactou positivamente as nossas carteiras em diferentes linhas de produtos”, disse por meio de nota o presidente do Itaú, Candido Bracher.

Receitas com serviços
As receitas de prestações de serviços e seguro do banco somaram R$ 12,062 bilhões em 2019, mais do que o observado nos últimos três meses de 2018 (R$ 10,782 bilhões).

Em todo o ano de 2019, o banco teve receita de R$ 43,870 bilhões, também mais do que o alcançado em 2018 (R$ 41,436 bilhões).

Inadimplência
O índice de inadimplência acima de 90 dias encerrou o ano em 3,4%, estável em relação ao terceiro trimestre e 0,1 ponto percentual abaixo do que estava no fim de 2018.

Para pessoas físicas, o indicador subiu e marcou 4,8%, contra 4,7% em setembro e 4,4% em dezembro do ano passado. Já para grandes empresas o percentual de atrasos caiu e ficou em 0,6%, contra 1,4% em setembro e 1,7% em dezembro de 2018. Segundo o banco, isso aconteceu devido à reestruturação e liquidação da dívida de um cliente específico.

Já o índice inadimplência das micro, pequenas e médias empresas ficou em 2,4%, estável em relação a setembro e abaixo dos 3,2% registrados um ano antes.

Quando consideradas as operações do banco em toda a América Latina, a inadimplência foi de 3% em dezembro, contra 2,9% em setembro e também 12 meses antes.

Provisão
As despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa (espécie de colchão financeiro formado para cobrir possíveis calotes) somaram R$ 19,68 bilhões em 2019, alta de 22,4% sobre os R$ 16,08 bilhões gastos em 2020.

Com isso, o índice de cobertura chegou a 229% em dezembro, contra 208% em setembro. O aumento se deu em função do "aprimoramento dos modelos de provisão para perda esperada", de acordo com o banco.

Dividendos
Com o resultado de 2019, os acionistas do Itaú receberão R$ 1,9270 por ação, um total de R$ 18,8 bilhões em dividendos e juros sobre o capital próprio. Esse valor equivale a 66,2% do lucro líquido consolidado recorrente de 2019.