Preços globais de alimentos sobem pelo quarto mês consecutivo, diz FAO Carnes encerraram trajetória de 11 meses de alta. Já o índice de preços dos grãos atingiu o maior valor desde maio de 20

Criado em 07/02/2020 por Administrador


Os preços mundiais de alimentos subiram pelo quarto mês consecutivo em janeiro, impulsionados por saltos nas cotações de óleos vegetais, açúcar e trigo, informou a agência de alimentos das Nações Unidas nesta quinta-feira (6).

Vendas de soja dos EUA à China caem ao menor nível desde setembro
Veja mais notícias de Agronegócios no G1
O índice de preços dos alimentos da Organização para a Agricultura e Alimentação (FAO), que mede as variações mensais de uma cesta de cereais, oleaginosas, laticínios, carnes e açúcar, teve média de 182,5 pontos no mês passado, alta de 0,7% em relação ao mês anterior.

A FAO também previu que a produção de cereais deve ter atingido um novo recorde em 2019, com crescimento de cerca de 2,3% frente à safra de 2018.

O índice de preços dos cereais da FAO subiu 2,9% em janeiro, na comparação mensal, para o maior valor desde maio de 2018, com os preços de todos os principais cereais em alta, liderados pelo trigo.

O índice de óleos vegetais saltou 7% no mês passado, para o maior nível em três anos, enquanto o índice de preços do açúcar subiu 5,5% e o índice de laticínios teve alta de 0,9%.

Em contrapartida, o índice de preços da carne caiu 4,0%, encerrando 11 meses consecutivos de aumento, com queda em todas as categorias de carne, "pressionadas por menores compras, principalmente da China e do Extremo Oriente", afirmou a FAO.

A FAO também divulgou uma nova projeção para a produção mundial de cereais, prevendo um recorde de 2,715 bilhões de toneladas este ano.

"A previsão deste mês permanece praticamente inalterada em relação a dezembro, já que as revisões para baixo na produção de trigo e arroz foram compensadas por ajustes para cima no milho e cevada", afirmou a FAO.