Bolsonaro diz que governo não vai interferir no preço dos combustíveis Preço do barril de petróleo subiu nesta sexta em razão da crise entre EUA e Irã, provocada pela morte de um general. Seg

Criado em 04/01/2020 por Administrador


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (3) que o governo não vai interferir no preço dos combustíveis diante do aumento provocado pela crise entre Estados Unidos e Irã.

Bolsonaro deu a declaração ao conceder uma entrevista em um hospital em Brasília, onde visitou a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, submetida a um procedimento cirúrgico estético nesta semana.

Nesta quinta (2), o general iraniano Qassem Soleimani foi morto em um ataque ordenado pelo governo dos Estados Unidos. Nesta sexta, com o aumento da tensão entre os dois países, o preço do barril do petróleo fechou em alta de 3,6%, a US$ 68,60.

"Presidente, e se o preço do petróleo não parar?", indagou um jornalista a Bolsonaro quando o presidente deixava o hospital em Brasília.

"Se? Você começa com 'se'. 'Se', tem que tomar providência. A Petrobras está se recuperando do que sofreu nos últimos anos, em especial no governo do PT", respondeu.

O repórter, em seguida, indagou a Bolsonaro se o governo tomará alguma providência caso o preço do petróleo continue aumentando.

O presidente, então, respondeu: "Com toda certeza. Eu converso com o almirante Bento [ministro de Minas e Energia], com o presidente da Petrobras e com o Paulo Guedes [ministro da Economia] e nós temos uma linha de não interferir, mas acompanhar e buscar soluções."

Segundo Bolsonaro, é preciso fazer um "apelo" aos governadores. "Vamos supor que aumente 20% o preço do petróleo, vai aumentar 20% o ICMS, não dá para os governadores cederem um pouco nisso também? Porque todo mundo perde. Quando você mexe em combustível, toda nossa economia é afetada nesta questão", afirmou. Reunião na próxima semana
De acordo com o presidente, haverá uma reunião com a equipe de governo na próxima segunda-feira (6) para discutir o assunto.

Ele afirmou que o aumento no preço do barril de petróleo é o que mais preocupa neste momento.

"A coisa que mais nos preocupa é uma possível alta do petróleo, que está em torno de 5% no momento. Conversei com o presidente da Petrobras e a exemplo do que aconteceu na Arábia Saudita, no ataque de drones, que em poucos dias voltou à normalidade, a gente espera que aconteça agora também", afirmou.