Crédito imobiliário com recursos da poupança cresce 60% em novembro e tem melhor resultado mensal em 4 anos

Criado em 31/12/2019 por Administrador


Comparação é com igual mês de 2018. Em relação a outubro, financiamentos cresceram 3,3%.
TOPO
Por Reuters

30/12/2019 17h35 Atualizado há 13 horas

No acumulado do ano até novembro, financiamento imobiliário com recursos da poupança soma R$ 70,04 bilhões — Foto: Prefeitura de Caruaru/Divulgação

O crédito para compra de imóveis residenciais com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) atingiu R$ 7,78 bilhões em novembro. É o melhor resultado mensal desde maio de 2015, informou nesta segunda-feira (30) a Associação das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

O volume de recursos liberado no mês passado foi 59,6% maior do que o apurado em novembro de 2018 e 3,3% superior ao registrado em outubro, segundo a entidade.

De acordo com dados do Banco Central informados no início de dezembro, os depósitos no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), superaram os saques em R$ 3,049 bilhões em novembro.

Veja comparativo das taxas de juros cobradas pelos bancos para crédito imobiliário
Balanço do ano
De janeiro a novembro foram aplicados R$ 70,04 bilhões para aquisição e construção de imóveis com recursos do SBPE, elevação de 36,4%, em relação a igual período de 2018.

Os recursos permitiram compra e construção de 266,3 mil imóveis, alta de 29,9% em relação a igual período de 2018.

Com queda dos juros, portabilidade de financiamento imobiliário dispara em 2019
Caixa lidera
A Caixa liderou o ranking de concessão de crédito imobiliário para compra e construção em novembro, com cerca de R$ 3 bilhões e 11,2 mil unidades. No acumulado do ano, os financiamentos do banco somaram R$ 22,8 bilhões e 88,1 mil unidades.

O Bradesco ficou na segunda posição do ranking, com operações de R$ 1,39 bilhão em novembro e 5,47 mil unidades, acumulando no ano R$ 16,2 bilhões e 63,4 mil unidades. Itaú Unibanco, Santander Brasil e Banco do Brasil, vieram na sequência, segundo os dados da Abecip.